Indice.jpg

CAMINHO DE INVERNO PARA SANTIAGO PELA RIBEIRA SACRA

CAMINHO DE INVERNO PARA SANTIAGO PELA RIBEIRA SACRA

Logo-Caminos a Santiago-WEB.jpg
(Última atualização: 18/04/2021)
 
ÍNDICE - CAMINO DE SANTIAGO
COMUM A TODAS AS ROTAS
ÍNDICE - CAMINO DE SANTIAGO
COMUM A TODAS AS ROTAS
ÍNDICE - CAMINO DE SANTIAGO
COMUM A TODAS AS ROTAS
ÍNDICE - CAMINO DE SANTIAGO
COMUM A TODAS AS ROTAS
REQUISITOS PARA UMA VIA A SER DECLARADA CAMINO DE SANTIAGO

Para que uma rota seja oficialmente declarada o Caminho de Santiago, considera-se necessária a apresentação de documentos em que os seguintes elementos sejam justificados:

  • O percurso tem uma história documentada de passagem de peregrinos.

  • O percurso tem uma história documentada de acolhimento de caminhantes em hospitais ou abrigos.

  • Outros documentos que favorecem a declaração oficial são: havia estradas romanas antes de serem rotas de peregrinação, vestígios arqueológicos, foram encontrados sinais específicos, cultos e locais relacionados com a peregrinação (toponímia, tradições locais, documentação de arquivo, literatura ordepórica (sobre os eventos e coisas vistas durante uma viagem, histórias de peregrinos que são preservados), textos literários, cartografia histórica, etc.

RECONOCIMIENTO OFICIAL DEL CAMINO DE INV
RECONOCIMIENTO OFICIAL DEL CAMINO DE INV

Para que uma rota seja oficialmente declarada o Caminho de Santiago, considera-se necessária a apresentação de documentos em que os seguintes elementos sejam justificados:

  • O percurso tem uma história documentada de passagem de peregrinos.

  • O percurso tem uma história documentada de acolhimento de caminhantes em hospitais ou abrigos.

  • Outros documentos que favorecem a declaração oficial são: havia estradas romanas antes de serem rotas de peregrinação, vestígios arqueológicos, foram encontrados sinais específicos, cultos e locais relacionados com a peregrinação (toponímia, tradições locais, documentação de arquivo, literatura ordepórica (sobre os eventos e coisas vistas durante uma viagem, histórias de peregrinos que são preservados), textos literários, cartografia histórica, etc.

 
 
JUSTIFICAÇÃO DA VARIANTE POR "A CUBELA"

A equipe comandada por Ramón Izquierdo Perrín estabeleceu a seguinte rota entre Quiroga e Monforte:

  Quiroga - San Clodio - Augas Mestas - Torbeo - A Cubela - Barxa - Vilachá - Rozavales - Villamarín - Monforte

Inicialmente, os troços Quiroga - San Clodio - Augas Mestas - Torbeo - A Cubela foram sinalizados e continuam a ser sinalizados como Camino de Invierno. Acontece que para ir de A Cubela a Barxa é preciso atravessar o rio Sil. Da Idade Média até meados do século 20, houve um ou dois barcos para cruzar o rio. O crescente despovoamento de toda a área desde os anos 60 do século XX fez com que o barco desaparecesse. Durante o processo de gestão para a oficialização do Caminho de Inverno, nenhum Município envolvido quis assumir a gestão de uma embarcação para a travessia do Sil e por isso foi pensada a Rota: Quiroga - Barxa de Lor - Puebla del Brollón - Monforte . Embora a Xunta de Galicia ainda não tenha estabelecido a Rota Oficial, esta última rota é a promovida pelas autoridades municipais afetadas, eles saberão porquê. É uma etapa que sai do curso do rio Sil e todos os que a percorreram consideram-na desproporcional (mais de 38 km) e com paisagens que se distanciam das restantes etapas.

Nas seções a seguir, vou justificar porque você deve retornar à rota inicial e, desde que um barco não esteja armado para cruzar o Sil, vou propor outra rota mais curta (31 km) que segue o curso do rio Sil por 14 km, com muito mais fundamentos histórico e com paisagens muito mais bonitas do que o promovido pelas autoridades municipais.

Proporei também percursos adicionais para visitar os meandros de A Cubela e Barxa, um dos lugares mais bonitos da Galiza e de Espanha, bem como um autêntico jardim botânico e faunístico.

ROZAVALES EN UNA RUTA MEDIEVAL DEL VINO

En varios documentos medievales procedentes de los archivos de los monasterios de San Vicente del Pino (en Monforte) y de Montederramo se comprueba que, las riberas de Val do Frade y O Ibedo pertenecían al monasterio de Montederramo y viñas de la Ribeira de Os Lagares pertenecían a San Vicente. Los vinos elaborados se transportaron a los citados monasterios, a Montederramo pasando por la parroquia de Torbeo después de cruzar el Sil en barcas desde Barxa a la Cubela y a San Vicente pasando por la parroquia de Rozavales.

 
LA HUELLA ROMANA ENTRE AUGAS MESTAS Y LA CUBELA

Los romanos conquistaron Galicia hacia el año 25 a.C., sus huellas han llegado hasta nuestros días a través de la lengua, de edificios, de infraestructuras, de costumbres y decenas de minas de oro. Según Plinio el Viejo, “las montañas de Hispania, que son mayormente áridas y estériles y no producen nada, por fuerza tenían que producir oro”. Según Estrabón, “los ríos arrastran oro y las mujeres cavan y después de quitar las partes más gruesas con una especie de cesto entretejido, lo lavan en bateas”.

Un informe de Ancient World Mapping Center, el Stoa Consortium y el Institute for the Study of the Ancient World muestra que en España y Portugal, los romanos explotaron un número de minas de oro superior a cualquier otra provincia romana, y gran parte de ellas estaban en Galicia. Entre ellas, descubrieron que entre las Médulas y La Cubela (A Covela) había ricos filones auríferos que explotaron durante dos siglos y medio. Gran parte del oro extraído en Galicia circuló a lo largo del imperio en forma de monedas llamadas “áureos”.

Aureos-WEB.jpg

Actualmente, mediante el sistema LiDAR (teledetección laser acoplado a un avión o un dron) se escanea el terreno con la referencia geográfica suministrada por el sistema GPS.  Los datos obtenidos se representan mediante nubes de puntos, que mediante un programa adecuado permite construir el modelo cartográfico de una zona y examinar ciertas formas, como antiguos embalses o canales. Se pueden visualizar restos arqueológicos bajo las cubiertas de vegetación o zonas intensamente roturadas. De esta manera, se ha detectado el complejo sistema utilizado por los romanos para extraer el oro: galerías, canales, embalses y desvío de ríos.

Sistema Lida-webr.jpg

No existen datos precisos sobre las cantidades de oro que obtuvieron de las minas de la Gallaecia romana pero:

  • Según Cayo Plinio Segundo, se sacó en algún momento el 10% de los ingresos totales del imperio romano.

  • Según algunos estudios, en las Médulas fueron extraídos 96.000 kilogramos de oro.

  • Según investigadores del CSIC se extrajeron 190 toneladas de oro de las minas del noroeste español.

Se ha comprobado que el volumen de tierra explotado es mucho mayor del que se conocía. Tras sustraer el oro que había en los sedimentos superficiales, la explotación continuaba hasta alcanzar las rocas con los filones de cuarzo aurífero que había debajo.

MÉTODOS UTILIZADOS POR LOS ROMANOS PARA LA EXTRACCIÓN DE ORO

Los romanos utilizaron diversas técnicas en la extracción del oro y se ha comprobado que no fueron los primeros en utilizarlas.

Expertos en la materia, consideran que los sistemas de transporte y almacenamiento de agua se copiaron de los utilizados por la civilización egipcia en siglos anteriores.

Se han identificado tres métodos diferentes para obtener el oro dependiendo del material en que se encontraba:

LAVADO DE ARENAS

Cuando el oro se encontraba en las arenas de los ríos, llegando a realizarse el desvío del cauce de los ríos para trabajar directamente sobre el aluvión. Esto se hizo en Montefurado.

Los romanos sabían que el Sil arrastraba oro y para facilitar las tareas de extracción decidieron secar un meandro largo y estrecho. En la zona estrecha del meandro, hicieron un túnel de 120 metros de longitud, 19 de ancho y 17 de alto, para desviar el cauce del Sil. De esta manera secaron 2,5 Km del cauce original.

Mapa Montefurado-WEB.jpg

YACIMIENTOS PRIMARIOS O EXCAVACIÓN DE MINAS

Se realizaban pozos y galerías para llegar a las betas de oro. Sacaban el material por galerías secundarias que luego machacaban para posteriormente someterlo a un sistema de tostación con el que obtenían el oro.

Se ha utilizado en diversos lugares de Los municipios de Quiroga Y Ribas de Sil. Como en El Covallón y la Toca en el Caurel.

Según el arqueólogo Luis Francisco López González en los municipios de Quiroga y Ribas de Sil hay más de 100 yacimientos explotados por los romanos.

Mina del Covallon-WEB.jpg

YACIMIENTOS SECUNDARIOS O RUINA MONTIUM

Fue descrito por Plinio el Viejo. Se usaban grandes cantidades de agua para derrumbar amplias extensiones de terreno montañoso en el que se había comprobado que había oro. Los mineros excavaban extensos canales desde zonas de abastecimiento natural de agua o presas artificiales. Dichos canales desembocaban en túneles, tanto verticales como horizontales y comunicados entre sí, excavados en la montaña que quería desintegrarse. Los túneles estaban entubados con maderos a los cuales se les prendía fuego para elevar la temperatura de la roca y abriendo el paso al agua, gran cantidad de agua entraba en tromba en las galerías, comprimiendo el aire del interior y erosionando las paredes de las mismas. El efecto provocado era similar al de un explosivo. El terreno se derrumbaba y el agua arrastraba los conglomerados en los que estaba incrustado el oro por galerías secundarias, se retiraban las piedras y cantos rodados y se conducían los lodos hasta los canales de lavado para obtener el oro.

En este caso, se utilizaban las aguas de los ríos Sil y Lor.

Las piedras y cantos rodados se apilaban en el exterior junto a los canales de lavado, formándose  grandes depósitos, conocidos tradicionalmente como medos o muradellas.

Tecnica del ruina mointium-2.jpg
Tecnica del ruina mointium-1.jpg

Tradicionalmente se creía que esta técnica había sido creada por la ingeniería romana pero, el estudio de diversos castros astures de la Edad de Hierro, ha demostrado que sus defensas fueron excavadas mediante la técnica del Ruina Montium.

Se ha utilizado en Las Médulas, en Covas y en La Cubela.

MEANDERS DE "BARXA - A CUBELA"

La minería aurífera de los romanos transformó el territorio y cambió su estructura socioeconómica.

En Galicia, la administración romana se centró fundamentalmente en las zonas auríferas, la colonización se adaptó a las explotaciones mineras, atendidas principalmente por miles de hombres libres, en su mayor parte peregrinos, que residían con sus familias en los castros próximos. Unos se dedicaban a la actividad agraria de las mejores sierras para abastecer a los mineros, otros proporcionaban las materias primas y manufacturas necesarias para el trabajo que se realizaba, por último los mineros residían en poblados  y núcleos mineros.

Entre Augas Mestas y la Cubela se pueden localizar los restos de explotaciones mineras de oro realizadas por los romanos en Covas, en Castro de Abaixo y en A Cubela.

MEANDERS DE "BARXA - A CUBELA"

El yacimiento de Covas en la parroquia de Augas Mestas, es de tipo secundario, los filones auríferos se hallaban en aluviones distribuidos en diversas terrazas fluviales. Actualmente, existen un conjunto de galerías a medio excavar que parecen haber sido abandonadas de forma repentina.

La mina tenía dos frentes de explotación, para visitarlos, del centro del pueblo sale un camino que a unos cincuenta metros de la última vivienda, se bifurca para dar acceso a ambos lugares, situados a distintas alturas.

Galeria en Covas1-WEB.jpg
Galeria2 en Covas-WEB.jpg

En el frente inferior de explotación hay dos galerías excavadas, una de ellas fue sellada por orden de la Xunta pero el muro con que se tapió la entrada se derrumbó posteriormente, la galería está obstruida por numerosas piedras. La otra galería está cegada por un desprendimiento pero una grieta permite acceder a ella. Un vecino la ha recorrido y dice que la galería principal tiene una de longitud de unos 500 metros y de ella salen cuatro o cinco galerías secundarias parcialmente cegadas por derrumbes.

En el frente superior de explotación quedan restos de pequeñas galerías y depósitos de cantos rodados (muradellas) una de las cuales posee un gran volumen y altura.

Muradella en Covas-WEB.jpg
MEANDERS DE "BARXA - A CUBELA"

La aldea de Castro de Abaixo  se asienta en parte sobre una antigua explotación minera de la que quedan grandes cantidades de cantos rodados.

Castro de Abaixo-WEB.jpg
MEANDERS DE "BARXA - A CUBELA"

La Cubela está situada sobre una pequeña llanura que no es natural, está justo encima de una explotación minera aurífera. Era una loma de montaña que fue derribada por la minería romana con la técnica de “ruina montium”. Según se mira a la aldea desde el meandro, la parte derecha era el frente de explotación que no se ve por la maleza existente.

El Sil hace miles o más bien millones de años, discurría por zonas diferentes a las actuales y su cauce ha variado mucho a través de los siglos. En épocas remotas dicho cauce discurría por encima de la aldea de A Cubela y al cambiar su curso dejó al descubierto los depósitos de minerales y sobre todo los de oro.

La Cubela desde Barxa-WEB.jpg
MEANDERS DE "BARXA - A CUBELA"

Queda demostrado que existieron minas romanas entre Augas Mestas y La Cubela. Es evidente que para transportar el material de obra , el mineral y los obreros se necesitaba un camino o calzada romana.

Hace unos años cuando por obras en el embalse de San Esteban bajaron grandemente el nivel de las aguas embalsadas, Antonio López Casas y su mujer María José Aira Pumar obtuvieron unos vídeos en los que se ve un empedrado que podría ser una calzada romana. En el siguiente vídeo se ve una pequeña secuencia de los mismos.

 
DE RONCESVALLES PARA ROZAVALES
BREVES NOTAS SOBRE RONCESVALLES

Confirma-se que desde o século X chegaram peregrinos de fora dos Pirenéus a Compostela.

A fundação e o desenvolvimento de Roncesvalles estão diretamente ligados ao Caminho de Santiago.

Santa María de Roncesvalles foi o hospital e centro de atendimento mais emblemático de todo o Caminho de Santiago e, junto com Roma, Jerusalém e Compostela, foi um dos lugares mais significativos para os peregrinos cristãos.

O Codex Calixtinus foi escrito em meados do século XII e no Livro V são descritas as principais rotas que cruzavam a França: o Turonense originário de Tours, o Lemovicense começando em Limoges, o Podense começando em Le Puy e o Toulouse aquele que ligava em Tolosa com a estrada para Roma. Os três primeiros convergiram em Ostabat antes de cruzar os Pirenéus pelo passo de Ibañeta (1066m); o quarto foi feito por Somport (1632m.).

De Ostabat, passando por San Jean Pied de Port, os peregrinos se dividiram em dois grupos, alguns deles subiram aos poucos até o desfiladeiro Lepoeder e outros passaram pelo vale de Valcarlos antes de enfrentar as encostas íngremes que levam a Ibañeta. Nas proximidades de San Salvador de Ibañeta as duas estradas se cruzam.

Mapa de los caminos de Santiago en Franc

Seguindo a máxima "Fui hóspede e me recebestes" (Evangelho de San Mateo 25, 35), começaram a ser fundados hospitais e mosteiros para atender espiritual e fisicamente aos peregrinos que passavam pelo desfiladeiro de Ibañeta.

Existem opiniões que defendem que o Hospital e Mosteiro de Roncesvalles foram criados antes do século XII, mas existem apenas citações pouco fiáveis. Embora abrigos e igrejas estejam documentados no século XI, nenhum deles foi predecessor do de Roncesvalles. Por exemplo, no século 11, havia uma igreja e um hospital no

.

População de Ronzasvals (atual Burguete)

que após sucessivas doações em 1219, foi doado aos cânones de Roncesvalles.

Havia também o "mosteiro nobre e real" de Ibañeta, consagrado a San Salvador, que acabou sendo adquirido pelo priorado de Roncesvalles em 1271.

Burguete-San Nicolas de Bari-WEB.jpg

A partir do início do século XII, o mosteiro de Ibañeta e o hospital Ronzasvals começaram a ser insuficientes para atender ao crescente número de peregrinos, portanto,

.

Sancho de Larrosa (também conhecido como Sancho de Rosas)

Bispo de Pamplona de 1122 até a sua morte em 1142, fundou em 1127 (segundo a maioria dos autores) uma "casa de acolhida para peregrinos e necessitados" para a qual teve a colaboração do Rei Alfonso-I el Batallador, nobres e particulares. A Carta de Fundação e Dote do hospital e igreja de Roncesvalles afirma que milhares de peregrinos morreram devido a tempestades de neve e ataques de lobos. Inicialmente localizado "no ápice da montanha chamada Roncesvalles", em 1132 foi transferido para sua localização atual no sopé da colina.

Panoramica-Roncesvalles-WEB.jpg

Sancho de Larrosa criou uma irmandade de leigos e eclesiásticos (monges do governo de San Agustín) e escreveu algumas Ordenações (Disposições) que assegurariam seu bom governo. A confraria não bastou e em 1135 foi colocada à frente do hospital uma colegiada de cónegos, presidida pelo prior Sancho.

Em 1137, o Papa Inocêncio II tomou Roncesvalles sob sua proteção. O Codex Calixtino descreve que na década de 1140 ele estava totalmente operacional e a religiosidade da época levou a grandes doações para o hospital de toda a Europa Ocidental. Foram construídos edifícios para o hospital, a igreja, claustro e dependências para os monges, uma paróquia para os vizinhos, armazéns, uma casa funerária com capela para os mortos. Ao longo dos séculos, foram construídos novos edifícios que, em alguns casos, destruíram os originais.

Vista de Roncesvalles-WEB.jpg
Interior de la Colegiata de Roncesvalles

Desde o início, a comunidade de cônegos cultuou Santa Maria, chefe do templo. A devoção à Virgem dos Pirineus se espalhou por todo o reino navarro e além das fronteiras.

.

As doações foram feitas de toda a Europa Ocidental:

Aragão, Guipúzcoa, La Rioja, Castela, Leão, Valência, Andaluzia, Portugal, Gasconha, Languedoc, Borgonha, Champanhe, Inglaterra e Itália. Como resultado, Roncesvalles tinha casas, por exemplo, em Saragoça, Soria, Valência, Sevilha, Toulouse, Montpellier, Londres, Bolonha

e na freguesia de Rozavales.

Nuevo Hospital-Albergue-WEB.jpg
O CABILDO DA COMPOSTELA INVESTE NO TERRITÓRIO FRANCÊS

Entre 1332 y 1335 se celebra un juicio entre el Obispado de Bayona y el Monasterio de Roncesvalles.

El obispado de Bayona presenta una demanda contra los canónigos de Roncesvalles, los cuales para defenderse presentan 13 escrituras. En la primera de ellas, se demuestra que, desde el 22 de agosto de 1189,  la iglesia y el hospital de San Vicente ya no pertenecen a la abadía de Leyre pues, junto con la iglesia de San Miguel se entregan al arzobispado de Compostela. Los hermanos del hospital hicieron votos idénticos a los de la Orden de San Juan de Jerusalén, pusieron la cruz de Santiago en sus hábitos y pasaron a obedecer al representante de Compostela en Gascuña.

Carta-Juicio-WEB.jpg

El pergamino de la Carta del juicio ha sido reproducido en un libro por V. Dubarat y J. B. Daranatz.

Portada-3-WEB.jpg

En la segunda escritura se demuestra que, el 10 de julio de 1246 se produce un intercambio de dos propiedades entre el arzobispo de Compostela y Roncesvalles. Compostela entrega la iglesia de San Vicente de Cisa, situada cerca de San Miguel el Viejo en la Baja Navarra, con su hospital y todas sus pertenencias, a cambio de Santa María de Salvador situada cerca de Monforte en la diócesis de Lugo y donada a Roncesvalles por el rey Alfonso IX de León, con todas sus posesiones y derechos.

O CABILDO DA COMPOSTELA INVESTE NO TERRITÓRIO FRANCÊS

Em meados do século XII e para promover a peregrinação a Compostela, o capítulo da Sé de Santiago instalou-se na Gasconha francesa, mantendo aí um representante. Em 22 de agosto de 1189, metade da igreja de San Vicente de Pied de Mont foi doada a Santiago de Compostela. Os irmãos do hospital São Vicente de Cize, anexo à igreja de San Miguel, ficaram dependentes de Compostela.

Uma bula do Papa Alexandre III confirmou a dependência acima mencionada

Bula Alejandro III-1.jpg
Bula Alejandro III-2.jpg

Em meados do século XII e para promover a peregrinação a Compostela, o capítulo da Sé de Santiago instalou-se na Gasconha francesa, mantendo aí um representante. Em 22 de agosto de 1189, metade da igreja de San Vicente de Pied de Mont foi doada a Santiago de Compostela. Os irmãos do hospital São Vicente de Cize, anexo à igreja de San Miguel, ficaram dependentes de Compostela.

Acta donacion-1+2-frances-WEB.jpg
Acta donacion 1+2-latin-WEB.jpg
IGREJA DE PARÓQUIA DE ROZAVALES
PERTENCIDO À ORDEM DE RONCESVALLES

Num documento preservado no Tumbo B da Catedral de Santiago, do qual existe uma edição publicada por María Teresa González Balasch em 2004 e cuja referência de publicação é:

GONZÁLEZ BALASCH, María T., Tumbo B de la Catedral de Santiago, Santiago de Compostela, Cabildo de la SAMI Catedral - Seminario de Estudios Gallegos, 2004, pp. 107-108.

E a assinatura do volume e do documento no Arquivo é: ACS, CF33, fols. 16v-17r.

é manifestado que

Em 17 de abril de 1193, o rei Alfonso IX (grande promotor do Caminho de Santiago)

concede a Igreja de Santa María del Salvador ao Hospital de Roncesvalles.

.

Tumbo B-1-WEB.jpg
Cesion de la Iglesia a Roncesvalles.jpg

No texto latino, diz-se que a doação ocorreu no ano de 1231, mas como até o século XV na parte ocidental da Península Ibérica se costumava começar a contar os anos no ano 38 aC, será necessário subtrair 38 para obter a contabilidade atual, portanto, a doação ocorreu no ano 1193 DC, o que já é feito por María Teresa González Balash no início do documento.

Ao colocar a data referem-se ao local como "Pinum", ou seja, "Pinheiro" que é o nome que Monforte tinha até que Alfonso IX o mudou para Monfort. O que os beneditinos de Monforte não fizeram, já que o mosteiro continuou a se chamar "San Vicente del Pino".

Por outro lado, o documento, em latim, se refere a Roncesvalles como “Roscidavale” e chama a Igreja de Santa María del Salvador.

Um pouco mais abaixo você pode ver um documento no qual está escrito que esta igreja está localizada

no episcopado de Lugo, terra de Lemos, numa localidade perto de Montem Fortem.

PONTUAÇÃO DE NICANOR RIELO CARBALLO
Nicanor Rielo Carballo.jpg

O etnógrafo e especialista em arte românica na província de Lugo, Nicanor Rielo Carballo na obra "Inventário artístico de Lugo e sua província" publicada entre 1975 e 1983, realizada em colaboração com Elías Valiña Sampedro (investigador e promotor de percursos de Santiago) , Santos San Cristóbal Sebastián e José Manuel González Reboredo, menciona uma tradição segundo a qual, em Rozavales havia um hospital de peregrinos

Rozavales-Inventario-4.jpg
TROCA ENTRE O ARCHBISHOP DE COMPOSTELA E O ANTERIOR DE RONCESVALLES DA IGREJA DE ROZAVALES COM UMA IGREJA FRANCESA

Em 23 de setembro de 2020, às 19h59, recebo um e-mail de Bertrand Saint Macary (presidente da Associação dos Amigos do Caminho de Santiago dos Pirenéus Atlânticos) em que me dou conta de que existe uma escritura de 10 de julho de 1246, pela qual, há uma troca de duas propriedades entre o Arcebispo de Compostela e o Prior de Santa María de Roncesvalles, pela qual o Arcebispo de Compostela e seu capítulo atribuem ou trocam com o Prior e a comunidade de Roncesvalles, a igreja de San Vicente com o seu hospital, os seus direitos e todas as suas dependências, situado junto ao antigo San Miguel (França) e propriedade de Compostela, com a igreja de Santa María del Salvador, com os seus bens, as suas heranças, os seus direitos e todas as suas dependências, localizada no bispado de Lugo no território de Lemos perto de Mont Fort Propriedade de Roncesvalles. A pergunta foi tornada pública em uma apresentação na Universidade de Navarra. Você me envia uma cópia da transcrição da escrita em latim, francês e espanhol.

Duranat-Intercambio1-WEB.jpg
Duranat-Intercambio2-WEB.jpg
Duranat-Intercambio3-WEB.jpg

Em 23 de setembro de 2020, às 19h59, recebo um e-mail de Bertrand Saint Macary (presidente da Associação dos Amigos do Caminho de Santiago dos Pirenéus Atlânticos) em que me dou conta de que existe uma escritura de 10 de julho de 1246, pela qual, há uma troca de duas propriedades entre o Arcebispo de Compostela e o Prior de Santa María de Roncesvalles, pela qual o Arcebispo de Compostela e seu capítulo atribuem ou trocam com o Prior e a comunidade de Roncesvalles, a igreja de San Vicente com o seu hospital, os seus direitos e todas as suas dependências, situado junto ao antigo San Miguel (França) e propriedade de Compostela, com a igreja de Santa María del Salvador, com os seus bens, as suas heranças, os seus direitos e todas as suas dependências, localizada no bispado de Lugo no território de Lemos perto de Mont Fort Propriedade de Roncesvalles. A pergunta foi tornada pública em uma apresentação na Universidade de Navarra. Você me envia uma cópia da transcrição da escrita em latim, francês e espanhol.

bbertrand-saint-macary.jpg
Bertrand SainT Macary-texto.jpg

A Associação de Amigos de

Caminho de Santiago nos Pirenéus Atlânticos

foi o Prêmio Elías Valiña 2019,

em compartilhar com

a Associação Jacobina de Almería, Camino Mozárabe

Premio_Elias_Valiña_2019b-WEB.jpg

Em 23 de setembro de 2020, às 19h59, recebo um e-mail de Bertrand Saint Macary (presidente da Associação dos Amigos do Caminho de Santiago dos Pirenéus Atlânticos) em que me dou conta de que existe uma escritura de 10 de julho de 1246, pela qual, há uma troca de duas propriedades entre o Arcebispo de Compostela e o Prior de Santa María de Roncesvalles, pela qual o Arcebispo de Compostela e seu capítulo atribuem ou trocam com o Prior e a comunidade de Roncesvalles, a igreja de San Vicente com o seu hospital, os seus direitos e todas as suas dependências, situado junto ao antigo San Miguel (França) e propriedade de Compostela, com a igreja de Santa María del Salvador, com os seus bens, as suas heranças, os seus direitos e todas as suas dependências, localizada no bispado de Lugo no território de Lemos perto de Mont Fort Propriedade de Roncesvalles. A pergunta foi tornada pública em uma apresentação na Universidade de Navarra. Você me envia uma cópia da transcrição da escrita em latim, francês e espanhol.

Bertrand-visita Iglesia-1-WEB.jpg
Bertrand-visita Iglesia-2-WEB.jpg
 
 
 
 
ROZAVALES TOPONYMY
Rubin-2-WEB.jpg

Nicandro Ares Vázquez, eminente filólogo e membro da Real Academia Galega, entre as suas numerosas obras publicou na revista Lucensia das Bibliotecas do Seminário Diocesano de Lugo em 2006, uma obra intitulada "Toponimia do Concello de Monforte de Lemos" na qual trata da toponímia de todas as cidades e lugares do município de Monforte de Lemos e relaciona a toponímia de Rozavales com a de Roncesvalles.

Lucensia-WEB.jpg
Sumario de Lucensia-WEB.jpg
Portada-Trabajo-Nicandro-WEB.jpg

Na toponímia de Rozavales, ele escreve o seguinte, entre outras coisas:

<< Em 1220 Alfonso IX condenado em um caso que tinha o mosteiro de Santo Estevo de Ribas de Sil:

"Cum fratribus de Runciavalle , super quodam casale em Sauto"

Em 1227 Marina Petri escreveu em seu texto

"Ad cofrariam de Rozavales I solidum"

Em 1257 o padre Petrus Iuliani escreveu em seu testamento:

"Ad confratriam sancte Marie de Rozavalles I solidum"

Em outro testamento do século 13, Iohannes Lupi diz:

" Comando sólido Ronciavallibus III"

Em 1413, Lourenzo Dominguez comandou:

"Confreía de Santa María de Guadalupe e de Roçavales , senllos moravedis".

Ronca Vallis é citado no índice.

Algumas dessas formas lembram Roncesvalles, um desfiladeiro nos Pirenéus >>.

E continua:

de Roncesvalles escreve Machado [DOELP] << a forma anterior era portanto Ronçavales --- talvez por Ronça [slvales. É uma hipótese, mas para Carolina Michaêlis é igual a Roncavalis. Na Canção de Roland é Roncesvals ... e daí o Roncesvalles espanhol e o Roncesvales português, que é a forma moderna. A origem dos Roncesvalles espanhóis e dos antigos Roncesvals franceses, Roncevaux modernos, está no latim rumicis vallis, "vale dos espinhos" ou "vale da azeda (s)". Note que no norte de Portugal havia uma cidade chamada Rozavales ou Rozovalibus ou Rozovallis em 1258 >>

.

DOELP = JP Machado, Dicionário Etimológico Onomástico Português, Lisboa
1992.

aceda: é um "rumex" em "vinagrete" espanhol.

Etimologia de Rozavales-WEB.jpg

(Agradeço a Francisco García Gondar pela localização das várias obras sobre toponímia)

ESTUDO FILOLÓGICO DE GONZALO NAVAZA

O filólogo e professor universitário Gonzalo Navaza, membro da Comissão de Toponímia do Governo da Galiza, realizou um estudo sobre a toponímia de várias localidades galegas: "A intervenção régia na medieval galega toponímia. Os nomes de Afonso IX (1188 1230) ".

Segundo a tese de Gonzalo Navaza, os nomes de várias cidades galegas não são herdados da toponímia antiga, mas sim criações medievais impostas pelo rei Afonso IX na altura da concessão do seu foro ou foral de povoamento. Para Navaza, no caso de Rozavales não há ato administrativo que imponha a mudança de nome, mas de fato a doação da igreja de Santa María de Salvador ao Hospital de Roncesvalles fez com que os antigos paroquianos de "Santa María de Salvadur" passou a ser conhecido como "Roçavales".

O nome do topónimo dos Pirenéus navarros (em português Roncesvales, em espanhol Roncesvalles, aragonês Ronzesbals, francês Roncevaux, basco Orreaga) no galego medieval sempre apresenta a forma Roçavales, interpretada como um composto de "roçar" e o plural de " vale "e por isso é lido em toda a literatura medieval e prosa notarial.

.

Navaza-1-WEB.jpg
Navaza-1b-WEB.jpg

Navaza continua argumentando que a grafia "Salvador" com a qual o topônimo aparece no texto latino da doação da igreja ao Hospital Roncesvalles na verdade corresponde a "Salvadur" que ainda hoje é o nome de uma das localidades dos paroquianos de Rozavales .

.

Foi uma população importante num passado muito remoto, como é mencionado nas divisões territoriais do século VI da Sé de Lugo e no Liber Fidei de Braga (ad Cairocam [= Quiroga] in directum et alia parte levat se em Salvatur, CODOLGA )

Podemos também considerar uma indicação da importância do antigo topónimo o facto de a vizinha freguesia de Vilachá continuar a se chamar Vilachá de Salvadur na língua oral (não oficial).

Em entrevista ao Voice of Galicia, Gonzalo Navaza afirma:

Rozavales é sem dúvida um topónimo 100% jacobino, visto que tem uma relação direta com a peregrinação a Santiago. E em Rozavales havia um hospital de peregrinos governado pela Ordem de Roncesvalles.

 
OUTRAS INVESTIGAÇÕES QUE CONFIRMAM QUE
ROZAVALES ESTÁ EM UMA ROTA DE PEREGRINAÇÃO PARA SANTIAGO
RELACIONAMENTO DE SANTA MARÍA DE ROZAVALES COM
O MONASTÉRIO DE SAN ZOILO DE CARRIÓN DE LOS CONDES

Carrión de los Condes é um município da província de Palencia que é um importante ponto do Caminho de Santiago. A estrada francesa a atravessa de leste a oeste e nela o caminho do norte, Ruta del Besaya, se junta à estrada francesa.

O mosteiro de San Zoilo está localizado em Carrión de los Condes, próximo à via francesa de Santiago. Fundado em 948, era um centro religioso e político de primeira linha, onde aconteciam conselhos e tribunais. Também serviu de residência para reis, alguns até eram cavaleiros armados lá. Já na Idade Média, era um centro de peregrinação. Ele se caracterizou por permitir que os peregrinos consumissem pão e vinho à sua discrição e para seus cuidados hospitalares, o que o tornou famoso. O mosteiro foi declarado monumento histórico-artístico por decreto de 3 de junho de 1931 e patrimônio de interesse cultural em 2012.

O etnógrafo e especialista em arte românica da província de Lugo, Nicanor Rielo Carballo na obra "Inventário artístico de Lugo e da sua província", afirma que o mosteiro de San Zoilo de Carrión de los Condes exerceu a sua jurisdição sobre a igreja de Santa Maria de Rozavales.

Nicanor Rielo Carballo.jpg
Inventario artistico lugo y provincia-1.
Rozavales-Inventario-1.jpg
STA. MARÍA DE ROZAVALES À LUZ DA ENSENADA CATASTRO

Rosa María Guntiñas Rodríguez , em sua investigação no Cadastro Ensenada sobre a congregação de Santa María de Rozavales, chega às seguintes conclusões , entre outras:

.

Os dados fornecidos pelo Cadastro da Ensenada revelam que foram os monges repovoadores da Idade Média (Cluniacs / governo de S. Benito) e as famílias hispano-góticas que tiveram de repovoar o termo da freguesia após a invasão muçulmana (711) e eles Mais tarde entraria para a Ordem Militar de Santiago (Encomienda de la Barra / monges-caballeros / governante de S. Agustín) que ocuparia as áreas reais mais extremas e montanhosas dos séculos XII-XIII acompanhadas por algumas famílias de camponeses-pecuaristas - guerreiros de áreas cristãs (migrantes que entravam e saíam em busca de refúgio, meios de subsistência e, da mesma forma, dispostos a se defender de qualquer possível ameaça).

Daí a presença da Ordem Militar de Santiago a que, no século XII, os reis de Leão e magnatas eclesiásticos (Alfonso VII e o Bispo de Ourense, D. Adán) com o consentimento dos abades beneditinos (Cluniac / Cisterciense), entregam Santa Maria com seus bens, tanto para protegê-la dos "roubos" e saques da nobreza, como para realizar trabalhos de socorro e assistência nas estradas ou estradas utilizadas pelos peregrinos a Santiago e viajantes em geral.

Diversos toponímicos como “Encrucillada” revelan que la feligresía contaba con una red de caminos que debieron de desempeñar un papel importante. La Encrucillada era y es, el lugar donde confluyen el camino procedente de Vilachá y el camino de carro de “Las Penelas” procedente de “Barja” (Coto de Frojende-Villamarín) donde estaba ubicada la barca que permitía atravesar el rio Sil desde Torbeo o Castro Caldelas en dirección a Monforte o viceversa.

El Madoz, recoge, a mediados del siglo XIX, la existencia de dicho camino especificando que es malo pero que lleva hasta una barca que permite cruzar el rio Sil.

La encrucillada.jpg
Camino de las Penelas.jpg

Junto à encruzilhada estão os lugares de “Salvadur” (em que a Capela da Virgen de la O (igreja paroquial de S. Julián de Tor) tinha duas casas) e “Rubín” (em que a Encomienda de la Barra (Militar Ordem de Santiago) tinha duas outras casas).

O toponímico “Salvadur” parece indicar que se tratava de um pequeno hospital-albergue ou de assistência a necessitados e peregrinos.

Rubin1.jpg
Casa de Rubin.jpg

Além disso, como a congregação ficava próxima ao local onde ficava o barco que permitia a travessia do rio Sil, a presença da Ordem de Santiago (Encomienda de la Barra) na congregação é compreendida porque, as Ordens Militares costumavam fiscalizar os lugares mais perigosos, como as travessias de rios e portos e, em geral, os extensos domínios reais de difícil ocupação e controle, em consonância com a religiosidade popular surgida na Idade Média, cuja forma mais visível era a peregrinação, segundo à obra de S. Agostinho que desenvolveu a ideia de que a vida era apenas um caminho, uma peregrinação para o além. Nesta obra também colaboraram os monges cluníacos em roupas pretas do mosteiro de San Vicente del Pino, que possuíam parte das terras férteis dos paroquianos.

.

Por outro lado, certas secções de despesas do ano de 1809 sugerem que o contingente de tropas francesas liderado pelo general francês Soult, se dirigiu de Monforte de Lemos para Torbeo passando por Rozavales e pela estrada de carruagens das "Penelas" para aceder ao barco que permitiria que cruzassem o rio Sil, um barco que eles destruíram.

A Cubela-WEB.jpg
Zona de la Covela-WEB.jpg

Por tudo isto, pode dizer-se que Rozavales, tal como Vilachá, foi um daqueles pontos "sensíveis" de entrada e saída da Galiza desde os tempos antigos, e um dos percursos seguidos por soldados, mercadores e peregrinos, daí a presença do Cluniacenses, Santiago e repovoadores estrangeiros.

Assim, parece claro que uma das chamadas vias secundárias do Caminho de Santiago passaria pelos paroquianos desde, pelo menos até meados do século XIX, esta via de comunicação que ligava Torbeo (Castela) e Castro Caldelas (Ourense / Portugal) com Monforte de Lemos (Lugo / Castilla) através de um barco que permitia cruzar o rio Sil e conectado com a “Encrucillada” de Rozavales onde convergia a estrada de Vilachá, (possivelmente uma antiga estrada romana, em cujas margens teria havido surgiram os lugares de "Cacabelos" e "Salvadur"), e a estrada de carruagens das "Penelas", que contornava o lugar de "Rubín", proveniente de "Barja" (Villamarín).

PEÑAS DE SANTA LUCÍA
Peñas_de_Santa_Lucia.jpg

Adjacente à Igreja de Rozavales, encontra-se a montanha comunal de “Sta. Lucía ”ou“ Peñas de Sta. Lucía ”de onde domina todo o entorno dos paroquianos por vários quilômetros e também se pode ver o mosteiro de San Vicente del Pino e o Castelo dos Condes de Lemos em Monforte . Las Peñas parece ser um antigo templo pagão e um local de peregrinação e visita “renomeado e cristianizado”, possivelmente por monges de Cluny. Deve-se levar em consideração que a festa de Santa Lúcia é celebrada no dia 13 de dezembro, e na Idade Média, devido ao atraso acumulado pelo calendário juliano, coincidia com o solstício de inverno, que era um período de renovação e de renascimento (para renovar e renascer o sol após sua morte gradual iniciada no solstício de verão) que envolveu celebrações e rituais em vários povos e culturas.

Na parede rochosa existem secções longitudinais talhadas e inclinadas da direita para a esquerda (não acessíveis) que foram baptizadas como "a escada do reverso" o que leva a intuição de que a sua finalidade era, possivelmente, de natureza ritual, "visualizar "o caminho dos raios do Sol no amanhecer do solstício de inverno, ou seja, a ressurreição do deus Sol e o renascimento da Vida após a Morte.

Portanto, Sta. María de Rozavales já era uma rota de peregrinação antes de ser uma das rotas secundárias de peregrinação a Santiago.

O que coincide com o que se afirma na WEB "Cultura de Galicia" da Xunta de Galicia: https://www.cultura.gal/es/ocupacion-historica-territorio

Coloquei a seguir um recorte do referido artigo:

Peñas Santa Lucia-Rozavales-WEB.jpg
CULTURA GALICIA-TEMPLOS EN ROCAS.jpg

Por outro lado, segundo uma tradição oral popular, mantida entre os vizinhos até o século XX, a localidade dos Peñas de Santa Lucía foi batizada por seus ancestrais com o nome de "As Mouras", nome relacionado aos "mouros" (personagens típicos das lendas galegas). Mouros na Galiza significa velho ou desconhecido e, portanto, fantástico. Consequentemente, foi transmitida a ideia, de geração em geração, de que o local havia sido habitado por pessoas de diferentes etnias, culturas e religiões. Da mesma forma, o fato de o feminino e não o masculino ser utilizado para designá-lo, pode ser interpretado assim, seria uma espécie de santuário frequentado por mulheres (sacerdotisas?) E / ou dedicado às divindades femininas e relacionado ao culto a morte e vida imortal na outra vida.

Tudo isso justificaria a criação da Igreja de Rozavales, dado o costume da Igreja Católica de converter feriados pagãos em cristãos.

EXISTÊNCIA DE DOIS BARCOS EM UMA CUBELA NO SÉCULO XVIII

Rosa María Guntiñas Rodríguez , em sua investigação no Cadastro Ensenada sobre a congregação de San Pedro Félix de Villamarín, chega às seguintes conclusões , entre outras :

 

Devem ter sido, como em Vilachá e Rozavales, os monges Cluniac de San Vicente del Pino e famílias hispano-alemãs que repovoaram os paroquianos de Villamarín após a invasão muçulmana (711) e mais tarde se juntaram a eles os monges cistercienses de Montederramo e a Ordem Militar de Santiago, possivelmente, acompanhada por novas famílias de camponeses-rancheiros-guerreiros de áreas cristãs.

Assim, em Villamarín, como em Vilachá e Rozavales, estiveram presentes todos os protagonistas que tornaram possível o desenvolvimento da peregrinação a Santiago de Compostela na Idade Média. O Caminho de Santiago, que, claro, não teria um percurso único nem seria percorrido apenas por peregrinos, mas por todas as pessoas que precisavam viajar e que, dependendo do local de residência e dos interesses particulares de cada um, seguiriam diferentes itinerários Através dos diferentes canais de comunicação existentes, principais ou transversais e, nesta área, o Cadastro disponibiliza dados sobre Villamarín que corroboram os já disponibilizados em Vilachá e Rozavales.

Iglesia de Villamarin-WEB.jpg

No termo geográfico de Villamarín, incluía-se o Coto de Frojende , senhorio da Casa de Losada , ao qual o Madoz continua a referir, um século depois, como o “Coto de Barja”, situando-se em frente à “extensa e rica abadia e a reserva do Torbeo numa encosta muito elevada e povoada por castanheiros ”.

O aproveitamento de sua parte ribeirinha possibilitou a realização de um "porto" fluvial no rio Sil (meandro da Barxa - A Cubela)

e alguns vizinhos obtêm algum recurso monetário como “barqueiros” e, eventualmente, também olivicultores e pescadores, actividade esta que não está incluída no Cadastro mas sim no Madoz, que especifica que existia pesca de lampreias, peixes, trutas e enguias.

Panoramica Villamarin-WEB.jpg

O Interrogatório Geral da congregação de Sta. Mª de Torbeo inclui no Capítulo 29 que

existem no “termo (...) dois barcos que servem para

o transporte desta terra

ao de Lemos, Quiroga e outras partes,

um pertencente ao senhor Isidro Rodríguez Casanova no porto de Torbeo, mas controlado diretamente pelos padres da paróquia "por cujo reconhecimento" ele lhes paga 30 r., por "jurisdição a cada ano" e que atualmente está sendo alugado por Domingo da Fonte vizinha à praça da Barja (...) e outra da mesma localidade que pertence a Benito de Aíra e José Rodríguez da localidade de Castro de Abajo. O Interrogatório confirma, portanto, a existência de uma lancha para transporte de pessoas e gado, mas, além disso, a existência de uma segunda, denominada ¿diligências? mas tem pouco tráfego, como você pode ler no documento anexo.

Fotocópia da página do Livro de Interrogatório Geral da reserva Torbeo em que está registada a existência destes dois barcos.

Registro de las dos barcas-2WEB.jpg
REFERÊNCIAS DA XUNTA DE GALICIA À ESTRADA DE INVERNO
POR VILACHÁ E ROZAVALES

A Xunta de Galicia através de "Galicia Buen Camino" inclui a Igreja de San Mamed de Vilachá no Caminho de Inverno de Santiago.

A Xunta de Galicia através do "Caminho de Santiago" inclui a Igreja de San Mamed de Vilachá no Caminho de Inverno de Santiago.

San Mamed-WEB.jpg

A Xunta de Galicia através de "Galicia Buen Camino" inclui a Igreja de Santa María da Penela no Caminho de Inverno de Santiago.

A Xunta de Galicia pelo "Caminho de Santiago" inclui a Igreja de Santa María da Penela no Caminho de Inverno de Santiago.

Santa Maria da Penela-WEB.jpg
 
 
 
 
 
 
PAISAGEM E INTERESSE NATURAL DA ROTA ATRAVÉS DE LA CUBELA
SIL CANYON

O desfiladeiro do Sil se estende pelos 25 km de rio antes de sua foz no Minho em Os Peares. É um desfiladeiro profundo de rocha e água, suas encostas consistem em duas paredes que em algumas áreas se elevam até quinhentos metros acima de suas águas. O rio descreve curvas e meandros largos, que formam alguns dos recantos mais mágicos de toda a Galiza.

Meandro de la Cubela-100-WEB.jpg
MIRADOR DE LA CAPELA-web.jpg

O cânion do Sil foi produzido ao longo de milhares de anos devido a dois fatores principais: a erosão das águas no leito e os processos geológicos associados às placas tectônicas. O clima atlântico continental predomina na área entre as províncias de Lugo e Orense, mas em certas zonas do Canyon existe um microclima diferente com características mediterrânicas. Este microclima permite o desenvolvimento de espécies de plantas atlânticas e mediterrânicas: carvalhos e castanheiros entre grandes rochas graníticas nas encostas sombreadas e nas encostas soalheiras os sobreiros, medronheiros, alfazema, esteva, orégãos, alecrim, tomilho, a vinha e até oliveiras em áreas mais calmas e protegidas.

Aguila real-WEB.jpg
Aves de rapina como o falcão-peregrino ou o milhafre-preto, até mesmo a águia-real ameaçada de extinção, encontram um bom lugar para nidificar nas rochas altas nas encostas íngremes.
Além disso, existe uma fauna rica: javalis, lobos, raposas, corças, lontras, anfíbios e répteis.
As condições climáticas permitem que espécies como patos e garças passem o inverno no cânion do Sil.
Halcon Peregrino-WEB.jpg
Apesar do relevo acidentado, graças à construção de socalcos, este terreno foi trabalhado desde tempos anteriores à época romana. As características especiais destas encostas, a sua inclinação acentuada, a sua orientação ou o microclima da área são ideais para o cultivo de uvas. Os romanos plantaram e trabalharam a videira nas encostas do desfiladeiro, posteriormente, nestas encostas instalaram-se monges eremitas e construíram-se mosteiros que continuaram a cultivar a videira e a produzir vinhos de excelente qualidade.
Além disso, essa orografia íngreme é usada para a produção de energia elétrica. Ao longo do Canyon existem vários reservatórios que fazem com que a descida das águas seja tranquila e seja navegável por barcos como os catamarãs.
As rotas Quiroga-San Clodio-Augas Mestas-Vilachá-Rozavales-Villamarín-Monforte
são as únicas rotas que passam por
A CANYON DE SIL
MEANDERS DE "BARXA - A CUBELA"
Limites Municipales-WEB.jpg

A área entre o miradouro Barxa e a foz do rio Xan Xoán no rio Sil na margem do rio Monfortine (cerca de 1500 m) tem merecido os comentários mais elogiosos dos caminhantes que a percorreram. Destaco aquelas feitas por um caminhante experiente (mais percursos e menos rotinas) que já viajou por todo o mundo:

Chegamos ao miradouro de Barxa, no espetacular meandro de A Cubela. Sem dúvida, uma imagem sem igual no resto da Galiza. Um local para se deliciar, pura essência da Ribeira Sacra. A beleza deste lugar é indescritível. A aldeia de A Cubela fica na margem oposta, pendurada na encosta que desce para o Sil, mesmo neste local onde o rio descreve um meandro de quase 360º.
Teríamos ficado muito mais tempo, absorvidos na contemplação desta paisagem, mas a escuridão se aproxima e nos obriga a continuar.

Meandro de A Covela-desde La Cubela-WEB.

O meandro da Barxa-A Cubela, é uma área de interesse geológico em que o rio Sil através de ardósias, micaxistos e quartzitos forma um meandro de geometria e paisagem excepcionais. O Sil atravessa um substrato rochoso de dureza variável e lenta mas inexoravelmente molda o canal até formar uma curva de 180º.

No meandro, o Sil encontra os quartzitos, com força suficiente para contorná-los em uma curva. Na borda externa da curva, a força da água produz grande erosão e na borda interna da curva, como a água tem velocidade baixa, ocorre grande sedimentação. Atualmente a água é represada, se não fosse, com o passar do tempo (milhões de anos), o rio desgastaria as rochas duras e a corrente seguiria por um leito mais retilíneo saindo do meandro. O que hoje é um belo meandro seria transformado em uma espécie de lagoa semilunar que mais tarde se encheria de novos sedimentos.

A vegetação mediterrânica mistura-se com a atlântica, existem azinheiras, sobreiros, medronheiros, castanheiros, carvalhos, loureiros, freixos, bordos, sorveiras, esteva, ... e muitos tipos de plantas.

O ECOSSISTEMA BARXA (MONFORTE DE LEMOS)
UM LUGAR ÚNICO NO CANÓN DEL SIL

Ou seja, para a palavra Barxa, os seguintes significados são dados:

  • Vega, campo cultivado junto a um rio.

  • Barcaça.

Em todo o Sil Canyon não há outro lugar que atenda a essas condições. É, portanto, uma área geograficamente única e também historicamente tem sido uma reserva separada dos paroquianos que a rodeiam. Uma reserva é uma parte de um território em que o rei delegou o exercício da justiça em primeira instância nas mãos de outra pessoa ou instituição. Neste caso, a delegação de funções foi feita na família Losada. No Cadastro Ensenada é denominado Coto de Frojende e no Madoz é denominado Coto de Barja.

Em 1752, de acordo com o Cadastro da Ensenada, é tutela de senhorio, por alienação régia, do pároco com direito ao exercício da justiça em primeira instância em matéria civil enquanto que em matéria penal era exercida pelo Conde de Lemos.

Numa secção anterior mostra-se que no referido Coto existiam dois barcos para atravessar o rio, um deles para o transporte de pessoas e gado, ou seja, uma "barcaça" que era utilizada pelo general francês Soult e o seu exército para atravessar o rio. Rio Sil.

A área é descrita por um caminhante experiente (mais rotas e menos rotinas) da seguinte forma:

Nesta área de fusão da vegetação mediterrânea e atlântica, pequenos riachos formam ambientes úmidos, verdes e frondosos. O caminho leva-nos à aldeia de Barxa, a beleza do local é indiscutível, rodeada de árvores, à beira do rio Sil. A próxima seção tem um grande charme. Caminhamos por ela próximos ao Sil, e em meio a uma grande variedade de espécies vegetais que formam um autêntico jardim botânico. Os sons da fauna são inúmeros, os pássaros cantam alegres melodias.
ACubela desde Barxa-WEB.jpg
Barxa1-WEB.jpg
Barxa-2-WEB.jpg
Barxa1-Ecosistema de Barxa-WEB.jpg
SANTIAGO ERA UM PESCADOR DE ÁGUA DOCE

No Evangelho de Marcos 1-16 a 1-20 é dito:

16 Ao passar pela costa do mar da Galiléia, Jesus viu Simão e seu irmão André lançando suas redes ao mar, porque eram pescadores.

 

17 Jesus disse-lhes: “Segui-me e eu vos farei pescadores de homens”.

 

18 E imediatamente eles deixaram suas redes e o seguiram.

 

19 Um pouco mais adiante, Jesus viu Tiago, filho de Zebedeu, com seu irmão João, que estavam em seu barco consertando as redes.

 

20 Jesus também os chamou, e eles, deixando o pai Zebedeu no barco com os ajudantes, o seguiram.

Barca de Pescadores-WEB.jpg

MAR DA GALILÉIA

O Mar da Galiléia (Lago de Tiberíades ou Lago de Genesaré), é um lago de água doce localizado na região do Oriente Médio asiático que pertence a Israel.

Sua altitude está abaixo do nível do mar (-214 m). Possui 53 km de litoral. Ocupa uma área de 166 km2. Sua profundidade média é de 25,6 me a máxima é de 40 m.

 

Mar de Galilea-WEB.jpg
Portada del Mahoz.jpg

O MADOZ (Dicionário Geográfico-Estatístico-Histórico da Espanha e suas possessões ultramarinas) é uma grande obra em 16 volumes publicada por Pascual Mahoz entre 1845 e 1850, que descreve todas as populações da Espanha, bem como termos da história da Espanha. É uma referência muito importante para a consulta de geógrafos, historiadores, arqueólogos e vários investigadores. Entre outros dados, contém informações interessantes sobre ruínas, vestígios e possíveis sítios arqueológicos, com a descrição que naquela época se fazia de tudo o que existia.

Se pesquisar "San Félix de Villamarín", descobrirá que se trata de um paroquiano com várias localizações, incluindo Barja e Frojende. Na produção diz-se que pescam lampreias, peixes, trutas e enguias.

Mahoz sobre Barxa-WEB.jpg

O URL para consultar o Madoz é o seguinte (leva tempo para carregar):

Actualmente, os meandros da Barxa-A Cubela situam-se na zona de influência da albufeira de San Esteban, pelo que podem ser pescados tucunarés, carpas e trutas.

Em consequência:

cruze o rio Sil de barco por Barxa-La Cubela,

cabe como uma luva com a mística do Caminho de Santiago.

Pode-se refletir sobre a profissão de Santiago el Mayor e

no chamado de Jesus Cristo para torná-lo pescador de homens.

 
 
 
 
 
DECLARAÇÃO OFICIAL DO CAMINHO ATRAVÉS DE LA CUBELA-BARXA

Nas seções anteriores é mostrado que a rota de Quiroga por San Clodio, Augas Mestas, A Cubela, cruzando o rio Sil de barco, Rozavales, Monforte de Lemos foi uma rota de peregrinação a Santiago e provavelmente a principal rota entre Quiroga e Monforte de Lemos. Especificamente, o percurso entre San Clodio e A Cubela está totalmente sinalizado como Caminho de Invierno e foi o percurso estabelecido pela equipa chefiada por Ramón Izquierdo Perrín e o primeiro a ser sinalizado. Aida Menéndez Lorenzo confessou publicamente que lutou com todas as suas forças para tornar esta rota a oficial, mas ...

Com as Administrações competentes, encontramos

Até o momento, eles não conseguiram resolver a questão da travessia do Sil, quando na Idade Média havia até dois barcos para cruzar o Sil disponíveis para os caminhantes. Eles dão a desculpa de que os reservatórios aumentaram a largura do rio e continuam tão largos que parecem esquecer o desenvolvimento tecnológico existente no século XXI. Existe um interesse oculto? É também o único percurso que circula por uma das paisagens mais espectaculares da Ribeira Sacra. O que pensarão eles se em 2021 a Ribeira Sacra for declarada Patrimônio da Humanidade?

Para amenizar esse absurdo, apresentarei em uma página separada as possíveis alternativas que podem ser seguidas.

ÀS NOSSAS AUTORIDADES ILUSTRADAS E EXCELENTES

NÃO PEDIMOS ALGO COMO O QUE É APRESENTADO NO VÍDEO ANEXO EM UM AMBIENTE COMO O SIL CANYON, MAS ...

UM BARCO EM UMA CUBELA PARA CRUZAR O SIL ...

Um barco em julho e agosto

Puente Colgante-1-WEB.jpg
Puente Colgante-2-WEB.jpg
Puente Colgante-3-WEB.jpg

O CONSÓRCIO RIBEIRA SACRA RECUPERARÁ TRADIÇÃO

DOS BARCOS DE PASSAGEM PARA CRUZAR O SIL E O MIÑO

En el párrafo final de la descripción general de la ruta alternativa entre Quiroga y Monforte se dice lo siguiente:

"Pero, en la actualidad, por tanto, no es posible pasar al otro lado del río y seguir el camino hacia Santiago. No obstante, se recomienda hacer una escapada por esta ruta, que le permitirá descubrir una de las más espectaculares vistas, el meandro que describe el río Sil, en el lugar de A Cubela, cuando se desciende desde Torbeo. Lugar, también, donde se inician los famosos e impresionantes cañones del río Sil".

NOTA

COMO EXPONGO EN LA PÁGINA "ALTERNATIVAS A LA ETAPA 5: QUIROGA - MONFORTE DE LEMOS", NO ES NECESARIO SUBIR HASTA TORBEO Y LUEGO BAJAR HASTA LA CUBELA PUES,

HAY UN CAMINO PEGADO AL SIL QUE VA DIRECTO A LA CUBELA.

Pagina de la Asociacion de AIDA.jpg
AUTORIDADES LOCAIS DEMONSTRADAS
ACORDO DO CONSELHO DA CIDADE DE RIBAS DE SIL

Em 22 de outubro de 2020, o Plenário da Câmara Municipal de Ribas de Sil concordou por unanimidade:

 

PRIMEIRO: Apoiar o pedido da associação de bairro Vilachá de Salvadur e da associação de bairro Torbeo para o reconhecimento da ESTRADA DE INVERNO PARA SANTIAGO DE COMPOSTELA EM SUA PASSAGEM ATRAVÉS DE TORVEO - VILACHÁ - ROZAVALES.

 

SEGUNDO: Apoiar as iniciativas necessárias para defender, divulgar e promover o referido percurso.

 

TERCEIRO: Solicitar à Xunta de Galicia os respectivos relatórios para o reconhecimento oficial do Caminho de Inverno na passagem por Torbeo-Vilachá-Rozavales.

 

QUARTO: Notifique a Associação de Vizinhos de Vilachá de Salvadur, a Associação de Vizinhos de Torbeo, a Câmara Municipal de Monforte, a Câmara Municipal de Puebla del Brollón e o Departamento de Cultura e Turismo da Xunta de Galicia.

Certificado-Acuerdo-Ribas de Sil-firma.j
ACORDO DO CONSELHO DA CIDADE DE PUEBLA DEL BROLLÓN

Em 23 de outubro de 2020, o Plenário da Câmara Municipal de Puebla del Brollón concordou por unanimidade:

 

PRIMEIRO: Apoiar o requerimento da associação de moradores de Vilachá para o reconhecimento da ESTRADA DE INVERNO PARA SANTIAGO DE COMPOSTELA ENQUANTO PASSA POR TORBEO - VILACHÁ - ROZAVALES conforme documentação histórica apresentada.

 

SEGUNDO: Apoiar a realização das ações necessárias à defesa, divulgação e promoção do referido percurso.

 

TERCEIRO: Colaborar na solicitação à Xunta de Galicia dos relatórios pertinentes para o reconhecimento oficial do Caminho de Inverno na passagem por Torbeo-Vilachá-Rozavales.

 

QUARTO: Notifique a Associação de Vizinhos de Vilachá de Salvadur, a Associação de Vizinhos de Torbeo, a Câmara Municipal de Monforte, a Câmara Municipal de Puebla del Brollón e o Departamento de Cultura e Turismo da Xunta de Galicia.

Certificado acuerdo Puebla ddel BrollonW
ACORDO DO CONSELHO DA CIDADE DE MONFORTE DE LEMOS

Em 30 de novembro de 2020, o plenário da Câmara Municipal de Monforte de Lemos aprovou por 12 votos a favor e 3 abstenções:  aprovar os pontos da proposta da Associação de Moradores de Vilachá.

Acuerdfo en Monforte-Voz de Galicia-WEB.

O CONSELHO PROVINCIAL DE LUGO

APOIE O CAMINHO ATRAVÉS DE VILACHÁ E ROZAVALES

O CONSÓRCIO RIBEIRA SACRA RECUPERARÁ TRADIÇÃO

DOS BARCOS DE PASSAGEM PARA CRUZAR O SIL E O MIÑO

Barcas-La Voz-0.jpg
Barcaza tradicional-web.jpg

BERTRAND SAINT MACARY APOYA LA RUTA POR ROZAVALES

Bertrand en la Voz de galicia-WEB.jpg

En una entrevista realizada en la Voz de Galicia, Bertrand Saint Macary, "Presidente de la Asociación de Amigos del Camino de Santiago de los Pirineos Atlánticos" que ha sido premio Elías Valiña 2019 y experto a nivel mundial en el Camino de Santiago, ha manifestado lo siguiente:

Pregunta: Entonces tiene sentido reclamar que el trazado oficial del Camino de Invierno pase por Rozavales, como hacen los vecinos.

-Sí, para ellos es algo importante. Yo no conocía la Ribeira Sacra y admito que es un lugar fenomenal. Hace unos días en nuestra oficina de acogida en Saint Jean Pied de Port tuve ocasión de hablar con un peregrino experimentado que ya había hecho el Camino de Invierno y me dijo que le había parecido muy hermoso. Estoy de acuerdo con él. Y pensando sobre este tramo en concreto yo propondría habilitar pasos en barca para que los peregrinos pudiesen cruzar el río Sil. Los peregrinos antiguos cuando tenían la alternativa de cruzar un río en barca solían preferir hacerlo si tenían dinero para pagarlo, en vez de buscar una alternativa que les hiciese andar más. Me parece que hoy en día, un sistema organizado para cruzar el Sil en barca sería un atractivo poderoso para el Camino de Invierno.

YO VOY SOÑANDO CAMINOS

(ANTONIO MACHADO)

Yo voy soñando caminos

de la tarde. ¡Las colinas

doradas, los verdes pinos,

las polvorientas encinas!...

¿Adónde el camino irá?

Yo voy cantando, viajero

a lo largo del sendero...

-la tarde cayendo está-.

"En el corazón tenía

la espina de una pasión;

logré arrancármela un día:

"ya no siento el corazón".

Y todo el campo un momento

se queda, mudo y sombrío,

meditando. Suena el viento

en los álamos del río.

Mi cantar vuelve a plañir:

"Aguda espina dorada,

quién te pudiera sentir

   en el corazón clavada".

Camino por Barxa y La Cubela-4.jpg
ÍNDICE - CAMINO DE SANTIAGO
COMUM A TODAS AS ROTAS